Como o vidro blindado foi criado?

Tempo de leitura: 3 minutos

O vidro blindado, assim como a aramida e o aço inoxidável, é um material muito importante para a blindagem automotiva, que tem sido cada vez mais buscada pelas pessoas – segundo dados da Associação Brasileira de Blindagem (Abrablin), a frota de blindados chega a 200 mil unidades.

No entanto, como o vidro blindado foi criado? Quais são os materiais que compõem esse importante material? O que determina se ele é seguro ou não? Por qual razão os níveis de blindagem existem? Estas e outras questões serão respondidas neste artigo! Acompanhe!

Descoberta surgiu do acaso

Pode até parecer estranho afirmar, mas o vidro blindado foi descoberto ao acaso pelo cientista e químico francês Edouard Bénédictus, que deixou cair um recipiente de nitrato de celulose no chão. O fato ocorre em 1909 e, na realidade, era um aperfeiçoamento do vidro laminado.

Mas, afinal, o que é o nitrato de celulose? Nada mais é do que uma espécie de “plástico líquido”. Quando o recipiente com esse componente caiu ao chão, Bénédictus observou que os pedaços de vidros racharam, mas que mantiveram o formato do frasco.

Surgiu, a partir daí, a primeira versão do vidro à prova de balas, que usava folhas de celuloide entre as lâminas. No entanto, esse material não tinha a principal qualidade do vidro: a transparência. Inicialmente, ele amarelava em um curto espaço de tempo, prejudicando a visibilidade.

27 anos depois: enfim, a solução

A forma encontrada, em 1936, para solucionar a falta de visibilidade do vidro blindado foi a substituição da folha de celuloide pelo polivinil butiral, conhecido pela sigla PVB, uma resina que é aplicada na forma de filme entre as camadas de vidro agindo como interlayer entre elas.

O que complementa esse “sanduíche” é o policarbonato. Camada final do bloco balístico, forma um multilaminado, que, ao receber o impacto do disparo de uma arma de fogo, deformando o projeto e evitando que ele atravesse o composto blindado. Existem, inclusive, vidros que, além dessa estrutura, tem inserto de uma borda com aço inoxidável.

Quais são os níveis de blindagem?

Antes de falarmos sobre as diferenças entre os níveis de blindagem, precisamos explicar a razão de eles existirem. Isso ocorre, em primeiro lugar, por proteção ao motorista, já que algumas blindagens são mais resistentes do que as outras. No entanto, outros fatores são determinantes, e eles já foram abordados em um artigo em nosso blog.

Agora, vamos aos níveis de blindagem, que são divididos em I, II, II-A e III-A:

Nível I: Calibre 38 com munição jaquetada é o que esse tipo de blindagem suporta. Muitas pessoas escolhem a blindagem nível I devido ao valor mais atrativo que as demais. No entanto, a sua proteção não é suficiente para as ameaças mais comuns.

Nível II e II-A: Suportam até um Magnum 357, em diferentes velocidades. A diferença de preços entre esses tipos de blindagem em comparação ao nível III-A é pequena. Por isso, é bastante incomum optar por elas.

Nível III-A: A blindagem automotiva mais recomendada do mercado é esta. Isso se dá devido a segurança garantida aos motoristas contra disparos de armas de mãos. Ela tolera disparos de armas, como Magnum 357, 9 milímetros e Magnum 44.

Produção própria de vidros blindados

Para garantir a segurança e o conforto dos clientes, os vidros utilizados na blindagem automotiva são produzidos pela Scape Glass, uma empresa do grupo Target. Essa é uma forma de evitar a terceirização do serviço e oferecer um produto de qualidade aos consumidores.

Você conhecia a história do vidro blindado? Responda nos comentários e compartilhe nas redes sociais, para que seus amigos tomem conhecimento sobre o assunto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *